CinemaXunga

Desde 24 de Junho de 2003

Evil Ed (1995)

eviled1

Em meados dos anos 90 usava as funcionalidades da recente Internet para alargar os meus horizontes cinéfilos. Finalmente estava livre das revistas pagas e fortemente parciais, os críticos mega-estelares com elevada auto-estima da imprensa nacional ou o Top Video na RTP1. Não havia ainda redes sociais, mas havia email e sites mono-página com gifs animados que rodavam a dizer “new” e “hot”. A IMDB dava os primeiros passos e ainda não tinha sido comprada pela Amazon. Um dos meus penfriends por email era um jovem sueco que partilhava comigo o gosto pelo cinema fantástico, terror e sci-fi. Trocávamos filmes em VHS. Eu preferia trocar filmes com suecos e holandeses porque eles também não dobravam os filmes, tinham legendas como nós. Eu mandava-lhe um anexos chamado movies.txt e ele devolvia com os que tinha e os que queria. Um dia esse meu amigo sueco (que não lembro o nome nem tenho o contacto) enviou-me um extra, um filme sueco falado em Inglês chamado Evil Ed. Ele insistiu por orgulho patriota que lhe desse prioridade e assim fiz. E foi assim que vi e revi Evil Ed, um tesouro sueco .

Já há algum tempo que perdi a fé em fazer sinopses de filmes, mas vou abrir aqui uma excepção porque Evil Ed é, de facto, merecedor de tal obsequio:

Edward é um jovem e talentoso editor que é especializado em cinema art-house e independente. Um dia um colega seu suicida-se de modo misterioso e Edward tem que o substituir para acabar a montagem de um filme de uma famosa saga de slashers. Para que se possa concentrar no seu trabalho, aluga uma casa isolada nas montanhas para não ser interrompido. No entanto o nobre homem de família e equilibrado pilar da sociedade que é o jovem Edward começa a deixar-se influenciar pelo que vai vendo no filme que está a editar. Começa a confundir a realidade com a ficção e a máquina de chacinar que está adormecida no seu alterego emerge para salvar a sociedade do mortos vivos que tentam minar as nossa comunidades. Edward transforma-se então num Ash sueco a virar povo a tiro como gente grande. Mas numa suécia, curiosamente, vazia de louras.

Bem, não digo que seja o next big thing nem o last big thing. Nem sequer que seja um big thing. Mas marcou-me imenso na altura e recentemente “comprei-o” e revi com  o mesmo fascínio de outrora. A fotografia inspirada no trabalho de câmara de Sam Raimi ou Peter Jackson (em Braindead e Bad Taste) dão-lhe aquele selo de autenticidade gore.

Nos créditos finais tem ainda a seguinte pérola: “ The characters and events in this motion picture are fictional, any similarity to actual persons living, dead, undead, living dead, re-animated or ressurrected is purely coincidel.(sic)”

Deixo-vos com um catálogozinho multimédia para o caso de não haver nada mais interessante aí em casa para fazer.

2 Comments

  1. trocava-mos ?

    mete mais tabaco pá!

  2. Não sei do que estás a falar. 😉

Leave a Reply

© 2019 CinemaXunga

Theme by Anders NorenUp ↑

%d bloggers like this: