CinemaXunga

Desde 24 de Junho de 2003

Tag: 2004

Noite Escura (2004)

Quando eu tinha 6 anos queria ser bombeiro. Com 1o anos queria ser astronauta, mas de um império maléfico. Mas aos 16 anos a minha ambição desmedida de gerir uma casa de putas consumia-me por dentro. As coisas correram noutra direcção e acabei por ter uma profissão banal, apesar de também haver putas na minha linha de trabalho. Choro frequentemente antes de adormecer a pensar no meu sonho perdido. Mas agora que vi Noite Escura de João Canijo percebo que administrar um bordel não é tão glamoroso como pode parecer à primeira vista.

Continue reading

The SpongeBob SquarePants Movie (2004)

Já antes ouvira falar de Spongebob, mas confesso que nunca vi nada desta famosa série de TV. Tive a oportunidade de pegar no DVD da versão “big screen movie” e li o argumento. Mas quem consegue resistir a um filme onde o vilão maléfico é um pedaço de plancton que quer conquistar o mundo (à laia de mr. Ernst Stavro Blofeld)? E onde se promete surrealismo que faria Dali enrolar os bigodes de vergonha? E que ainda por cima tem David Hasselhoff a dar uma perninha que faz lembrar aquele reclame do Ice Tea com o José Cid? Eu concerteza que não… Alguma vez viram alguém conduzir uma sandwich? Eu já…

Continue reading

Narco (2004)

Gus é um rapaz que nasceu com um “defeito de fabrico”, é narcoléptico. Adormece ocasionalmente sem ter controlo sobre isso. Não arranja empregos duradouros, tem uma vida pessoal complicada. A sua esposa, paixão de infância, é a galdéria da aldeia. O seu melhor amigo aspira ser o melhor karateca do mundo. Também aspira bastante cocaína e cerveja é ao garrafão. Gus sonha grandes aventuras cinematográficas e depois expressa-se por banda desenhada. Van Damme aparece, qual aparição celestial, como guru espiritual. Os vilões são um casal de gémeos ex-campeão de patinagem artística que agora seguem uma rentável carreira de assassinos contratados, sem no entanto terem mudado a indumentária.

Continue reading

Harry Potter and the Prisoner of Azkaban (2004)

harry-potter-

Preferia ter alugado um porno brasileiro… Errrr… Eu disse isto? Peço imensa desculpa. Eu tenho um problema grave, para o qual estou a ser tratado, em que por vezes escrevo o que devia pensar e penso o que devia escrever. Perdão, vou começar de novo. Bem, agora é que é….

Continue reading

Dead Meat (2004)

deadmeat

O vírus das vacas loucas sofre uma mutação e é passada para a raça humana através de uma vaca enraivecida e diabólica. Dois turistas perdem-se na Irlanda rural e, num bizarro acidente, acabam por se encontrar rodeados de zombies. Cabe a Desmond, o coveiro local, ajudar a bela Helena numa luta de morte ou… morte. Mas sobreviver no campo infestado de zombies não é fácil, pior ainda quando um exército de vacas zombie (loucas, of course) ameaça encurtar substancialmente a vida aos nossos amigos. Conseguirão eles escapar a esta situação complicada? O que é que isso interessa? Desde que haja carnificina zombie de série B, numa produção quase caseira, recheada de humor negro!…

Continue reading

Starsky and Hutch (2004)

starsky_hutch06Não conheço a série original, ou se conheço será com um título diferente, tipo “Mauzão e Rabugento” ou dobrada em brasileiro, onde teria o título de “Caras Legais” (se não perceberam a piada, releiam porquem tem duplo sentido). Gosto de ambientes de anos 70, mas não é preciso exagerar. Esta dupla de actores já tem feito filmes merdosos, mas apesar de terem atingido o fundo neste penso que continuarão a escavar. Continue reading

9 Songs (2004)

9songs

Na edição de 2004 do festival de cinema de Cannes uma pedra atingiu o charco. A violência foi tal que acabou por criar um vortex sufucientemente forte para arrastar consigo toda a atenção mediática. Todos tinham opinião formada de gabarito doutoral. Michael Winterbottom, famoso realizador de filmes como 24 Hour Party People, Welcome to Sarajevo ou Jude, oriundo do púdico Reino Unido, lança um filme que com sexo explícito… E quando falo de sexo explícito, não é uma piroca a roçar ao de leve uma farfalhuda ratinha ou um broche ocultado pelas sombras, é foda dura e crua com direito a grandes planos, masturbação feminina e o famoso “money shot”.

Continue reading

Van Helsing (2004)

vanhelsing

Post Original: 24 de Abril de 2004

Post do cinema xunga daqui a 100 anos: “Agora que se revive uma onda de usar humanos em filmes, faz hoje 100 anos que o pioneiro desta técnica estreou. Val Helsing. Primitivo, certamente, mas o uso minimalista de humanos fez dele um clássico, lado a lado com o volume 17 de Star Wars e o Porky’s 2076, feito com porcos de verdade… ” . Não estou certamente longe da verdade ao colocar aqui a minha costela de futurologista, mas o certo é que o excesso de gráficos de computador tornou um filme num ode às texturas de plástico, e nos momentos em que passei acordado, procurava desenfreadamente o meu joystick. Continue reading

Exorcist: The Beginning (2004)

exorcistabegining

Quem não borrou as cuecas de medo aquando da estreia do primeiro exorcista? Ninguém? Eu também não, mas podia acontecer… Adiante. O Exorcista original é um marco no cinema mundial e não falo apenas de terror. É um estilo cru e não estilizado, fazendo crer a qualquer cinéfilo que aquilo podia acontecer em sua casa ou na casa do vizinho. Depois disso os produtores ainda sacaram umas massas a parolos com duas sequelas. Confesso que nem me lembro bem como se desenvolvem essas sequelas, mas lembro-me que eram uma boa merda. Aliás, qualquer filme que tenha um número no fim está fadado a ser xunga. Se bem que actualmente já os substituiram com subtítulos catitas para enganar pacóvios. Se pensarem bem nas sequelas que viram ultimamente, só os filmes de zoofilia e porno brasileiros é que têm números, como por exemplo, “O cavalo do vizinho 15” ou “Buraquinhos quentes de Paraguaçú 25”. …errr… Isto sou eu a inventar, claro.

Continue reading

The Day After Tomorrow (2004)

dayaftertomorrow

Em primeiro lugar deixem-me dizer-vos que não sou grande fã destes filmes “bigger than life” de catástrofes. Posto isto, que a matança comece. Este filme lida com uma catástrofe global que se abate sobre o planeta. De um dia para o outro, vindo do nada, uma imensa tempestade arrasa o hemisfério norte. E porquê o hemisfério norte? Porque é uma tempestade com consciência social, de certeza de esquerda, que vem acabar de vez com os porcos imperialistas.

Continue reading

Catwoman (2004)

catwoman

Todos os filmes de super heróis precisam de uma introdução burlesca para começar. Enquanto que na BD já é assim e ponto final, nos filmes existe a necessidade de mostrar às pessoas como é que tudo começou. O que faz com que tudo pareça absurdo, pois é retratado um mundo igual ao nosso, quando, de repente, alguém é mordido por uma lata de atum radioactiva ou come presunto fora de validade picado por uma aranha criada a banha do cachaço de alpacas mutantes, e ficam com super poderes. É esta uma das maiores falhas nos filmes de super heróis. Outra grande falha são os argumentos que invariavelmente fazem com que o herói em questão se vingue de quem lhes trouxe o super poder, sempre acompanhado com uma situação melodramática em climax…

Continue reading

My Summer Of Love (2004)

mysummeroflove

Antigamente havia cinema independente, declaradamente e descaradamente independente. Depois apareceu a fase Miramax e toda a gente passava por independente. Oscares e o caraças e a fase passou. Agora voltámos ao domínio do estúdio grande com filmes pequenos à base de fogo de artifício digitech. Eu, confesso, gosto de cinema independente, dos olhares fora do mainstream que não se prendem com a salvação do planeta, mas antes com realidades pessoais e focalizadas de determinado personagem ou comunidade. Também vos digo já que hoje em dia é difícil encontrar um filme com estas características, com a quantidade de lobos que vestem pele de cordeiro.

Continue reading

The Dreamers (2004)

Originalmente publicada em 2005 (mais coisa menos coisa)

Dois irmãos franceses, amantes de cinema, convidam um jovem americano para passar uns dias lá em casa enquanto os pais vão para algures. Tendo como pano de fundo a revolução estudantil de Paris em 1968, este filme é um ode à experimentação e também uma prova de que nem toda a pintelheira dos anos 60 é assustadora.

Continue reading

© 2019 CinemaXunga

Theme by Anders NorenUp ↑