CinemaXunga

Desde 24 de Junho de 2003

Tag: 2008 (page 1 of 3)

Babylon A.D. (2008)

Franceses, não se pode viver com eles, não se pode viver sem eles, não se pode amarra-los a uma pedra e manda-los para o fundo do mar mediterrânico. Apesar de pretensiosos e pouco afáveis, são exímios em queimar carros, comercializar improváveis queijos e fazer filmes com alguma substância. O que não é o caso deste filme que vos trago hoje, que apesar de vir de um talentoso Mathieu Kassovitz e financiado pelo poderio  Hollywoodiano, acabou por morrer na praia. Sem honra nem glória. Como um malabarista de motosserras atacado por Alzheimer fulminante.

Continue reading

The Hurt Locker (2008)

Nunca fui apreciador de Oscars ou eventos de atribuição de prémios em geral, porque não gosto que decidam coisas para mim. Mas como não vivo numa caverna do Azerbeijão acabo sempre por levar com as avalanches de notícias relacionadas com estes eventos nos dias seguintes. É complicado tentar perceber factos concretos, porque parece ser mais importante o estilista de determinada actriz, informação de box office perfeitamente inútil ou rumores que envolvam invariavelmente Angelina Jolie e a sua atarefada vagina. Mas estranhei o OVNI vencedor deste ano, com aquela sensação que todos conhecemos, que é ver um cavalo sentado num sofá a beber chá numa reunião da Tupperware.

Continue reading

The Rocker (2008)

A nostalgia dos anos 80 não é um exclusivo nacional, como se pode facilmente perceber pelo conteúdos de entretenimento com que somos bombardeados ultimamente. Se inicialmente era o simples revivalismo, sem justificação, hoje em dia começam a aparecer estratégias ardilosas para nos enfiarem aqueles malvados anos casa adentro. Daí a razão de existir de Rocker, um filme de Jack Black  sem Jack Black. Durante 90 minutos Hair Metal e Glam Rock misturam-se com pop rock Hanna Montana, adultos convivem com adolescentes a roçar o limiar da legalidade, e música horrível cruza-se com… bem, com mais música horrível. The Final Countdown dos Europe também está lá presente, mas desde que os Europe foram cabeças de cartaz no Festival do Marisco 2010 de Olhão pode-se dizer que não há lugar onde os Europe não estejam.

Continue reading

Over Her Dead Body (2008)

Fez-me lembrar uma vez em que estava em casa e comecei a ouvir uma acesa zaragata na rua. Fui à janela. Lá estavam dois pinguins a fazer aquilo que me pareceu ser uma encenação de “À espera de Godot”, usando sinais de trânsito para simular diálogos. Passados uns momentos apareceu um rabino irado com o facto de um dos pinguins o ter enganado. Parece que lhe serviu uma dose de nariz de porco com coentros e o terá enganado dizendo que era peixe. O rabino, confiante, comeu com deleite. Quando lhe disseram que aquela estranha barbatana parecia uma ficha eléctrica, percebeu que estava a roer um focinho de porco. Má onda… Acompanhado de uns capangas da sinagoga foi tentar apanhar o pinguim. Quando apareceu, o pinguim 1 empunhava uma placa de fim de prioridade que seria a marca do final do 1º acto. O rabino atirou-lhe então o que restava do nariz de porco. Enquanto acendia um cigarro, o pinguim foi atingido no estômago pelo nariz e deixou cair o isqueiro em cima de uma lata de gasolina que servia para queimar uns figurantes no 2º acto. A lata virou-se, espalhando o pânico. Por incrível coincidência, passava o pelotão da volta a Portugal em bicicleta, ladeado por 2 urologistas de mota. Um dos ciclistas incendiou-se, espalhando o fogo pela audiência. Infelizmente, na altura, tinham-me faltado a bateria da máquina fotográfica.

I Sell the Dead (2008)

Quantos entre nós não se terão já interrogado acerca do tipo de vida que levavam as pessoas que arranjavam os mortos para o Dr. Frankenstein retalhar e escolher as melhores peças? Ou mesmo para aqueles visionários que se lembraram que poderiam saber alguma coisa sobre o corpo humano esquartejando cadáveres? Certamente não acreditam que o Sr. Dr. Victor Frankenstein, homem de boas famílias e educação superior, fosse ocasionalmente para o cemitério de pá e picareta escolher os mais frescos e viçosos pedaços de anatomia humana. Nada disso! Exércitos de salteadores de cemitérios e de defuntos em geral não davam descanso nem aos mortos para ganhar a vida. E é desta gente que trata o nosso filme de hoje. Tal como a classe de trabalhadores que retrata, é simples mas honrado.

Continue reading

Vals Im Bashir (2008)

Era uma manhã quente de Verão em meados dos anos 90. Não tinha ainda recuperado totalmente a consciência num bar nos arredores de Proença-a-Nova e já um senhor de meia idade estava a falar comigo. Ignorei-o, como faço a toda a gente, mas o seu matraquear era imparável e percebi que só depois de o ouvir me poderia ver livre da sua maçuda companhia. Chamava-se Alcides e dizia ser bastante conhecido em Portugal devido ao seu disco de música popular “Levar leitinho na bilha”. Anuí por compaixão. Estava acompanhado de um acordeão e uma rapariga jovem de ar muito usado que dizia não se poder sentar porque lhe doía o cu.

Continue reading

Twilight (2008)

Os filmes da minha adolescência foram maioritariamente slasher movies de extrema violência. Ainda assim já vou com 36 anos e ainda não matei ninguém. Não havia necessidade de proteger as criancinhas das influências satânicas da violência televisiva. A malta sabia que eram apenas filmes. Nos dias de hoje protegemos as nossas crias da nefasta influência da violência mostrando-lhes filmes de vampiros que brilham ao sol, mortos-vivos deprimidos crónicos com paralisia facial e cuja única carne humana que comem é pénis, normalmente de empurrão…

Continue reading

The Spirit (2008)

Sexta-Feira chuvosa. Estava eu num bar de alterne na Zouparria a olhar para cinco prostitutas deprimidas. Entre todas partilhavam 12 dentes e 382 era o total das suas idades somadas. Fingi beber a minha água campilho e saí pela janela da casa de banho, sem pagar. Estava a precisar de um bom filme para lavar a alma. Apanhei o início do Spirit num canal Premium do cabo. Passados 30 minutos estava a ponderar se não seria menos doloroso arriscar gonorreia com a Jandira, uma brasileira que se orgulhava de ter feito duas mamadas a Goebbles na altura em que ele ainda era presidente da junta de uma pequena freguesia nos arredores de Frankfurt.

Continue reading

What Happens In Vegas (2008)

Domingo à tarde. Almoço de família. Depois das 17 sobremesas finalmente chegamos ao sofá. As crianças brincam e gritam ao nosso redor. Umas torturam animais de estimação, outras incendeiam os cortinados. Da cozinha ouvem-se os gritos de protesto “Vocês são uma merda! Em vez de nos ajudarem a arrumar, vão directos para o sofá.” A TV bloqueada na SIC. O controlo remoto longe do alcance dos braços. Enquanto termino a minha água com gás na esperança de uma digestão pacífica, lá está ela. Como nos tem habituado aos domingos à tarde, Cameron Diaz em cuecas…

Continue reading

Let The Right One In (2008)

Longe vão os tempos em que a única coisa que apreciávamos da Suécia eram as gémeas Inga e Helga todas embezuntadas com óleo de coco a lutarem entre si por atenção masculina usando para o efeito um inexistente par de cuecas e os seus viçosos e anti-gravitacionais seios. Eles também produzem um cinema de muito boa qualidade, pautado pela bela cinematografia semi-descolorada e a curtíssima profundidade de campo. Let The Right One In é o filme que impede que Thirst (de Chan-wook Park) seja o melhor filme de vampiros que vi nos últimos 10 anos…

Continue reading

Anvil! The Story of Anvil (2008)

Arrancar dos esgotos do esquecimento velhas glórias injustiçadas pelas falácias do destino e mugir a vaca emocional que habita dentro de nós não é nada de novo. Já foi feito em filmes de Stallone ou Eastwood ou muito recentemente em “The Wrestler”. Mas agora assumidamente em formato Documentário vemos a velha glória do Speed Metal do início dos anos 80 a tentar a sua sorte neste mundo cruel da música moderna.  E se há muita nostalgia e humor também há drama suficiente derreter a carapaça mais dura do metaleiro mais hardcore.

Continue reading

Martyrs (2008)

O cinema francês não é apenas um conjunto de filmes existencialistas realizados por nomes acabados em “aut”, com gajas de mamas pequenas em tronco nu que acabam invariavelmente por levar com ele, sendo “ele” um latejante falo erecto e não um conceito abstracto. O cinema de terror francês atravessa uma época de especial vitalidade, afastado dos canones do “horror movie” americano, mais próximo do conceito de pesadelo colectivo, com narrativas e grafismo capaz de nos eriçar os pelos das costas…

Continue reading

Hancock (2008)


Perdido aqui nos meus drafts quase há um ano andava este Hancock, uma miserável tentativa de criar um filme de super heróis, anti-heróis. Mas o certo é que o filme não teve o sucesso nem o impacto que inicialmente se previa. Ver Hancock é como ver alguém castrar um crocodilo dentro de uma cabine telefónica usando apenas uma colher. É arrojado, aparatoso, corajoso, pouco visto, mas com um resultado final perfeitamente inútil…

Continue reading

Gigantic (2008)

E por falar em actrizes que detesto, apresento-vos mais um filme com Zooey Deschanel. Essa actriz que baseia toda a sua carreira nuns grandes olhos azuis e ar de cachorrinho triste, e cujo único personagem que faz é a teenager inconsciente alheada do mundo, que destila encanto e filosofia Zen de herdeira rica que não precisa de trabalhar. No final do post anexarei um foto para que possam comprovar com os vossos próprios olhos aquilo que tentei explicar sem grande sucesso. E se há característica que possa definir este filme é a sua extrema leveza que o torna quase numa memória reprimida que não sabemos bem ser sonho ou realidade. É como acordar ao lado de um prostituta morta depois de uma noite de excessos, com uma dor aguda ao fundo das costas que pode explicar a cicatriz daquilo que parece ser a extracção de um rim por processos artesanais, sem grande memória do que aconteceu na noite anterior.

Continue reading

Step Brothers (2008)

step-brothers

Não são raras as vezes em que ouço a frase “Epá, cada um gosta do que gosta e isso não se discute..”. Mas a verdade é que os gostos discutem-se e às vezes há gostos que deveriam ser usados a nível psiquiátrico para determinar o grau de atraso mental de que determinada pessoa tem. Delirar com filmes de Will Ferrell seria equivalente a acertar recursivamente com um gelado na testa ou a tentar desenhar a Mona Lisa com a própria merda ainda fumegante.

Continue reading

Bienvenue chez les Ch’tis (2008)

chtis

É certo que os franceses têm uma boa cinematografia, capaz de rivalizar em termos de bilheteira com a anglo-saxónica caso lhe fosse dado o mesmo protagonismo mediático. Mas é também certo que por vezes as suas comédias falham miseravelmente. Não no sentido de falhar na bilheteira, mas no sentido de serem tão engraçadas como lavar uma hemorróida ensanguentada com meio litro de álcool etílico.

Continue reading

Mum and Dad (2008)

mum_and_dad

Num país tão rico em charcutaria e em que a gastronomia atingiu picos da genialidade sem precedentes com as papas de sarrabulho ou as tripas à moda do Porto,  muito me admiro de não haver ainda um torture porn tuga. E com o incentivo que traria à industria da transformação de carnes estou até a cheirar um gordo incentivo ICAM para este projecto.

Continue reading

A Complete History of My Sexual Failures (2008)

sexualfailures

Em meados dos anos 80 tinha uma vizinha , a Rosa, que nutria um fraquinho por mim. Um dia levei-a a minha casa e no meio da mútua investigação anatómica meti-lhe o trailer de um filme que tinha alugado. Salteadores de Atlantis. A sequência que ela viu envolvia 2 atropelamentos mortais, uma senhora a ser trespassada por uma seta no crânio e uma decapitação com um cabo de aço. A Rosa olhou-me num misto de repulsa com reprovação (lábio hirto e olhos arregalados) e arranjou uma desculpa esfarrapada para sair apressadamente. Fui ter com os meus amigos e disse-lhes que tinha que reavaliar as minhas metodologias de engate. Um deles pediu para cheirar os meus dedos “investigadores”…

Continue reading

Jumper (2008)

jumper_001

Todos nós, fans de ficção científica, já ficamos acordados a pensar no tema que serve de fio condutor neste filme, o sexo com uma gaja boa. Mas por vezes também pensávamos em teleportação, nos seus prós e contras, nos malefícios, na maneira em que poderia afectar o contínuo espaço-temporal, como poderíamos comer gajas à conta disso ou simplesmente ver a vizinha a sair do banho depois de uma sessão de depilação total. Mas em nada estas reflexões coincidem com este ejaculação precoce que vem catalogado como “filme”. A teleportação deve ser tratada com respeito e não do ponto de vista de quem viu um episódio do Heroes enquanto fumava um gordo charro e pensou “Caralhos me fodam se isto não dava um bom filme!…”.

Continue reading

Sunshine Cleaning (2008)

sunshinecleaning

Apesar do cinema independente americano ser uma fonte de agradáveis surpresas, também é certo que por vezes há filmes que nos fazem lembrar um cão a perseguir a sua própria cauda. Sunshine Cleaning é uma soma de bons ingredientes de um filme decente, mas que as deficiências narrativas e o excesso de depressão nos forçam atirá-lo para os pântados do eterno esquecimento cinematográfico.

Continue reading

Older posts

© 2017 CinemaXunga

Theme by Anders NorenUp ↑