CinemaXunga

Desde 24 de Junho de 2003

Tag: russia

“I hope the russians love their children too”–A Guerra Fria a ferro e fogo.

guerrafria001 (Small)

Lembro-me perfeitamente do medo dos russos, dos seus misseis, da sua radiação, da sua eminente invasão. A paranóia era tal que as pessoas criavam cenários pós apocalípticos tão aterradores que os levavam a esgotar os mantimentos nos supermercados e a fazer caves anti-bomba por baixo das suas casas. Os jornalistas gritavam histéricos como apresentadores do telejornal da Coreia do Norte e alguns até molhavam as calcinhas apavorados com receio da aniquilação global.  E isto em pleno 2014, quando anexaram a Crimeia, imaginem agora como era no tempo da guerra fria em meados dos anos 80, aquela fase que presenciei. O certo é que a visão que tínhamos dos soviéticos era a que nos fornecia o cinema americano, distorcido até ao absurdo pela máquina propagandística da liberdade e democracia, nem que seja infligida à bofetada. Vamos hoje falar de alguns hits da altura e do seu impacto na minha impressionável  mente.

Continue reading

Red Heat (1988) e o cacifo de titânio reforçado

still-of-arnold-schwarzenegger-and-james-belushi-in-red-heat2

Crianças, juntem-se aqui que hoje temos história. Coloquem os vossos chapéus de papel de alumínio e elétrodos de pinça no escroto1 porque vamos viajar no tempo. Nos anos 80 os filmes de Arnold Schwarzenegger era um evento anual que nenhum teenager sedento de sangue e carnificina podia perder. Numa época sem Internets e com as revistas estrangeiras de cinema a custar meio ordenado mínimo, a criançada passava os dias a lamber os cartazes nas salas de cinema. Cartazes que às vezes chegavam a ter mais de um ano de antecedência. Tanta a antecedência que há casos de filmes mudaram entretanto de nome ou outros que nem chegaram a ver a luz do dia. Nestes tempos negros de incerteza e falácias comerciais, o conceito de “Filme novo do Schwarzenegger” era uma âncora de esperança, o quente conforto de algo que não nos ia falhar, um segundo lar… O “Filme novo do Schwarzenegger” era tão certo como apanhar umas valentes bofetões depois de chegar a casa às 20h cheios de lama e com queixas de 23 vizinhos acerca de alegada destruição de propriedade alheia e de por em risco a integridade sexual das suas filhas (essas galdérias). Isto para dizer que no ano do senhor de 1988 andámos todos eufóricos durante 7 ou 8 meses porque ia estrear um novo filme do Schwarzenegger e o elevado bodycount já nos retesava os mamilos de antecipação.  Red Heat estrearia no Outono, logo após a chegada das primeiras negativas a matemática.

Continue reading

Ivan Vasilevich menyaet professiyu (1973)

Hoje vamos dar um salto ao cinema da extinta URSS para uma pérola de extravagancia soviética, uma misto de ficção cientifica com o mais puro slapstick, um dos exemplos mais famosos de blockbuster soviete. É praticamente impossível resistir a um filme cujo título internacional é “Ivan Vasilievich: Back to the Future”, que mesmo não tendo nada a ver com o homónimo de Michael J. Fox, partilha a sensação de afligimento de quem está involuntariamente entalado numa época que não é sua. No final do filme conseguimos responder à questão meta-física que mais atormenta a humanidade do século XXI: “Porque necessitamos nós de um carregador solar para o nosso smartphone? Para o caso de viajarmos acidentalmente para o passado…

Continue reading

Babylon A.D. (2008)

Franceses, não se pode viver com eles, não se pode viver sem eles, não se pode amarra-los a uma pedra e manda-los para o fundo do mar mediterrânico. Apesar de pretensiosos e pouco afáveis, são exímios em queimar carros, comercializar improváveis queijos e fazer filmes com alguma substância. O que não é o caso deste filme que vos trago hoje, que apesar de vir de um talentoso Mathieu Kassovitz e financiado pelo poderio  Hollywoodiano, acabou por morrer na praia. Sem honra nem glória. Como um malabarista de motosserras atacado por Alzheimer fulminante.

Continue reading

Interceptor (2009) a.k.a. Zapreshchennaya realnost

Desenganem-se aqueles que pensam que o filmezinho de acção brainless  em que toda a lógica é retorcida de modo a que a narrativa possa ser reencaminhada para um sem fim de lutas e proezas físicas de duvidosa credibilidade é um exclusivo do cinema de Hollywood. Todos os países têm os seus “filmes de porrada e explosões” para entreter esta grande comunidade de barrascos que habita entre nós. Assumir que se fez um filme brainless é nobre, mas querer fazer passar uma obra monolítica por um épico intemporal injectando mitologia nonsense é uma armadilha narrativa em que os russos caem sempre. Efeito secundário: transforma-se um “murro e balázio neles” numa comédia involuntária capaz de criar um Ed Wood instantâneo.

Continue reading

Naked Dawn – Trailer

E se o Russos invadissem os Estados Unidos? E se Rob Schneider fosse a única esperança de resistência? E se estivesse nu?

© 2019 CinemaXunga

Theme by Anders NorenUp ↑