CinemaXunga

Desde 24 de Junho de 2003

Tag: zonbox (page 2 of 2)

Astérix aux jeux olympiques (2008)

asterix

Como tão bem sabemos, passar um banda desenhada para o grande ecran não é uma tarefa linear nem simples. Que o digam adaptações como Catwoman, Elektra, Daredevil, Punisher, Blade, Spawn, Spiderman, o novo Superman, isto só para citar alguns exemplos de lustrosa falta de qualidade e, porque não dizê-lo, horrenda mediocridade! Asterix, infelizmente, não é uma excepção à regra e neste terceiro capítulo parece ainda enterrar fundo numa fossa céptica o conceito da adaptação ao cinema de um comic.

Continue reading

The Day After Tomorrow (2004)

dayaftertomorrow

Em primeiro lugar deixem-me dizer-vos que não sou grande fã destes filmes “bigger than life” de catástrofes. Posto isto, que a matança comece. Este filme lida com uma catástrofe global que se abate sobre o planeta. De um dia para o outro, vindo do nada, uma imensa tempestade arrasa o hemisfério norte. E porquê o hemisfério norte? Porque é uma tempestade com consciência social, de certeza de esquerda, que vem acabar de vez com os porcos imperialistas.

Continue reading

8 Mile (2002)

8mile

Há muito que ando a ponderar ver este filme. Nunca o vi porque o meu preconceito sempre me impediu de o fazer. Um dia destes passou no MovHD e aproveitei para ver. Temos que aproveitar as poucas coisas em HD que existem. E com este filme aprendi uma lição importante: devemos sempre confiar no nosso preconceito. Falemos então deste “Manual de Iniciação para Bazofes”.

Continue reading

The Butterfly Effect 2 (2006)

butterfly2

Li algures, num destes sites que nos afasta do trabalho, que existe uma lei nalguns estados americanos que proíbe sexo com ovelhas. Tudo bem, também acho que é doentio um homem envolver-se emocionalmente com uma ovelha, e mesmo que seja um caso de uma noite (ou tarde solarenga atrás de um arbusto) é moralmente condenável. A minha questão é:  em que ponto é que uma epidemia de violadores de ovelhas se tornou tão grave que foi preciso legislar contra esse flagelo?

Continue reading

Porquê usar os títulos originais?

stupidity

Se há algo que não compreendo são as traduções dos títulos dos filmes para o mercado nacional. A última gota foi este fim de semana, quando preparei a minha ZonBox para gravar um clássico da minha infância. Sentei-me no sofá munido de uma taça de torresmos e meia garrafa de agua-pé, peguei no comando, a salivar, carreguei no play e eis que me aparece a seguinte mensagem “A Seguir: Caça e Fantasmas“. Hã?!? Caça e Fantasmas? E…? Caça “e” Fantasmas? Era uma merda horrenda straight-to-video que me fez carregar no stop ainda antes de terem começado os créditos iniciais. E qual a razão deste engano? A Zon limpa o cu aos títulos originais, e temos que ser nós a discernir por entre uma imensa nuvem de trapaça o que vamos ver. E quem diz Zon diz toda a industria nacional que tenha alguma coisa a ver com entretenimento importado…

Já li algures, penso que no blog do Dermot, uma entrevista com uma tradutora que dizia não ter intervenção nos títulos. Ao que parece os títulos são decididos em reuniões executivas com o intuito de maximizar o lucro e não em ser reflexo do título original. Isto explica imbecilidades como Die Hard, Assalto ao Arranha Céus. Ninguém imaginou que o 2º fosse num aeroporto, o 3º fosse mais do que um assalto e o 4º fosse um golpe de estado. Outra explicação é o facto desses mesmos executivos não perderem tempo com cinema e basearam as decisões nos cartazes e na sua própria homosexualidade reprimida.

Exemplos são às toneladas e todos nós temos um ou outro ódio pessoal neste campo. Casos existem em que andamos meses a salivar de antecipação por um filme qualquer e depois acaba por passar despercebido no cinema porque a tradução é tão críptica que só percebemos 3 meses depois de ter saido das salas. Pior ainda é quando metem o título original e outra merda surreal à frente, como Toy Story – Os Rivais, Ghost – O Espírito do Amor ou mesmo a saga Alien: O 8º passageiro, O reencontro final, a desforra ou o regresso. O jorro de estupidez é infindável.

Por esta razão eu coloco sempre o título original, porque além de ser fácil procurar a tradução num qualquer blog seguidista que alinha nesta parvoíce, pode-se sempre usar a IMDb ou fazer uma pesquisa mais certeira no google. Além disso, não perco meio post a indignar-me com o título.

As únicas traduções improvisadas que aprovo são para situações em que é impossível ver a capa ou o cartaz do filme como, por exemplo, Bobby, O cão lambão ou Dois paus no cú da Avó.

The Brave One (2007)

Arquivo: Editado originalmente em Fevereiro de 2008

Arquivo: Editado originalmente em Fevereiro de 2008

Sinopse: Um casal vê a sua interminável felicidade abruptamente terminada quando são assaltados, espancados e reduzidos a 50% de casal por um trio de rufias com ar de rappers. A metade que sobra (Jodie Foster) descobre que a vida faz muito mais sentido se comprar uma pistola e andar por aí a matar malandrins que estão mesmo a pedi-las.

Crítica: The Brave One é um misto de Batman Transsexual (lésbico) protagonizado por Michael J. Fox com Taxi Driver gay. É o típico filme de “vigilante” em que alguma vítima se sente mal protegida pela polícia e decide fazer justiça pelas próprias mãos. Um filme que além de denegrir a imagem de Jodie Foster como uma actriz de respeito também não faz muito pela reputação de Nova Iorque, ao mostrar a cidade como a capital mundial da violência urbana e da injustiça social. Continue reading

Fight Plan (2005)

Arquivo: Editado originalmente em Janeiro de 2006

Arquivo: Editado originalmente em Janeiro de 2006

Mais uma vez o fantasma do media hype antecedeu este filme, onde se carpiam lamúrias de estupefação face ao desenlace verdadeiramente original que este iria ter. E bem erradas estavam esses zurros macacóides pagos pelo produtor deste filme que, armado em mecenas, lá foi enfiando dolares no cu da imprensa especializada para que atraíssem parolada sala adentro, na esperança de, pelo menos, não adormecer…

Continue reading

Conan, The Destroyer (1984)

Tempos houve em que Arnold não era um puritano republicano com as peles descaídas como um velho Shar Pei. Dispensava algum do seu tempo livre ao consumo de esteróides e hormonas de bufalo. Era também um brutamontes semi-mudo usado em filmes a cada vez que se precisava de uma abominação da natureza sob a forma de alguém com caracteristicas sobre-humanas. Na altura fez 2 filmes da saga Conan, um era o Bárbaro outro era o Destruidor. A minha ZonBox gravou-me este último no canal Hollywood. Tem piada que não me lembrava de quase nada. Julgava que era o da Brigite Nielsen e afinal era o da Grace Jones. Venha o diabo e escolha. Continue reading

Kelly LeBrock – The Woman In Red

Tempos houve em que um frondosa e saudável pintelheira era um sinal de forte erotismo. Lembrei-me disto porque meti a minha ZonBox a gravar “A Mulher de Vermelho” que passou no Hollywood. Comecei a ver o filme e saltei imediatamante para a cena que me ficou cravada no cérebro dos tempos de adolescente: a pintelheira.

Como as coisas mudam! Agora parecia-me que a senhora estava a dar à luz um Jackson Five.  E por falar em mudar, não resistia a fazer a pindérica comparação do “Then and Now” sob a forma de uma colagem lado a lado. A imagem da pintelheira está como prémio para quem clicar em “Read More” ou “Ler Mais” (quando conseguir instalar a tradução para esta porcaria)… Continue reading

Newer posts »

© 2019 CinemaXunga

Theme by Anders NorenUp ↑