Desde 24 de Junho de 2003

Tag: ciência

Quando ver filmes de Steven Spielberg?

Ver um filme de Steven Spielberg é como comer cogumelos apanhados por um amigo bêbedo, pode ser uma extraordinária experiência gastronómica ou pode resultar na perda do fígado e subsequente morte. Assim, com o intuito de acabar com este risco à saude pública mundial, a comunidade científica ligou-me em massa no fim de semana. “Pedro”, imploravam chorando, “Consegues fazer os cálculos de modo a que se consiga erradicar a morte por Spielberg do mundo”, dizia o Alfredo da WHO em Nova Iorque.

E eu lá fui pegar nos tubos de ensaio e microscópios. Trabalhei o fim de semana sem dormir, consegui enviar os dados para um rede de super computadores das principais universidades do mundo para serem mastigados, e consegui hoje ter o resultado desse trabalho.

Apresento o gráfico anual de perigosidade de ver filmes de Spielberg. Atenção que o eixo das ordenadas representa a probabilidade de tirar prazer da visualização e o eixo das absissas representa o mês.

Decidi não patentear o estudo, podem usar nos vossos papers.

Pedro Cinemaxunga – PhD, DoP, ATM e BBC

Ex Machina (2015)

Ex-Machina

A tecnologia avança de modo vertiginoso, descontrolada, eufórica… Uma corrida desenfreada que já dura desde que DaVinci alinhou umas rodas dentadas debaixo de uma pele de cabra.  Vivemos num tempo de imprevisibilidade tecnológica, milhões de engenheiros e cientistas a trabalhar, coordenar esforços, em busca do santo graal tecnológico: um robot com entrefolhos correctamente anatómicos que se possa foder. Será a empresa que o criar que poderá controlar o planeta, mudar regimes, criar estratégias globais.  Quem entre nós não apreciaria ter um parceiro sexual topo de gama que tivesse um botão de off e esperasse o sono do amado para actualizar o firmware na pacatez da noite? Depois de engomar camisas e lavar as bancas da cozinha. E é por aqui que a nossa psique colectiva alinha o progresso da humanidade.

Continue reading

Fringe – Season 2

Vamos lá meter a conversa em dia. Acabei finalmente a segunda época de Fringe. Mais sumo, mais mitologia, mas ainda assim muito enchimento de chouriço. Quase que se perdoa tanta palha com este universo tão detalhadamente rendilhado. Perdão, multiverso! A segunda época acabou com um episódio duplo ficção científica pura e dura com um pouco de tudo, acção, mistério, romance e um cliffhanger de fazer roer as unhas durante meses. Mas no melhor pano cai a nódoa e o final à Scooby Doo não me excitou especialmente, tendo em conta que os mesmo artificio narrativo já tinha sido utilizado no início desta época com resultados pouco animadores. [Spoilers ahead]

Continue reading

Fringe

Torci inicialmente o nariz a Fringe apenas porque a sequência inicial do episódio piloto me fez lembrar a eterna e infindável agonia que é o Lost. Isso e também porque me pareceu demasiado X-Files. Tinha muita série para ver, não me apeteceu o esforço de aturar a curva de aprendizagem inicial de qualquer série que não seja totalmente simplória. Há cerca de um mês voltei a dar-lhe uma segunda oportunidade. Glorioso HD (pois claro) e estou agora no episódio 18 da primeira série, por isso cuidadinho com os spoilers nos comentários. Não é de todo uma série perfeita, tendo provavelmente mais pontos negativos do que positivos, mas analisemos então com um pouco mais de detalhe nas linhas que se seguem.

Continue reading

© 2022 CinemaXunga

Theme by Anders NorenUp ↑