CinemaXunga

Desde 24 de Junho de 2003

O caso “Monstro da Lagoa Negra”

The Creature From The Black Lagoon

Em meados dos anos 80 foi dado em Portugal o maior golpe publicitário de que há memória no mundo inteiro. Um truque tão mesquinho e desonesto cujo único intuito seria ganhar dinheiro à custa de inocentes telespectadores sequiosos de experiências multimédia diferentes. O caso “Monstro da Lagoa Negra” foi a massificação publicitária de uns óculos 3d sem os quais os espectadores perderiam aquela que seria a mais fantástica experiência alguma vez sentida no planeta. No dia seguinte o país usava umas imensas orelhas de burro e todos sentiam uma dor latejante no rabo, como se um cabo-verdiano invisível (e conceptual) tivesse sodomizado a nação, usando apenas uma t-shirt de licra justa com o logotipo da RTP…

Durante meses e meses a RTP usou o seu monopólio da televisão em Portugal para anunciar a venda dos óculos em papelarias. Óculos caríssimos que eram afinal umas hastes de cartão semi-rígido e duas rodelas de papel celofane (vermelho e azulado) coladas à pressa. Foi de tal modo poderosa a campanha que qualquer cidadão se sentia uma criatura inferior sem os óculos.

Estava prometida pela RTP o início de uma nova época, uma nova televisão com profundidade. O 3D iria chegar definitivamente ao panorama cinematográfico/televisivo para que o país pudesse ser um símbolo de modernidade na vanguarda da multimédia mundial.

A desinformação era de tal modo grotesca que todos acreditaram, o país parou para ver este pináculo do hitech. E nessa fatídica noite, Portugal parou. A respiração ficou momentaneamente suspensa e os corações batiam em sincronismo. Meu Deus, será que vamos aguentar tal emoção da próxima geração? Ainda ontem tinha TV a preto e branco e hoje vou saltar para o futuro e sentir-me ainda mais homem.

O filme começa. Ninguém acreditava. O pior filme de terror de que há memória. Um pastelão completamente idiota dos anos 50 ou 60. O efeito 3D era sentido à custa de muita fé. Fé na RTP e esperança de não sentir aquele inevitável sensação de “eu sou tão estúpido a acreditar nestes idiotas…

Rapidamente nos apercebemos que bastava meter a TV a preto e branco para a qualidade melhorar substancialmente e são conhecidos casos de pessoas que limparam literalmente o cú aos óculos no intervalo do filme. Fomos, mais uma vez, uma nação de descompensada, falsamente inflamada pelo sentido de patriotismo, desejando magicamente saltar da cauda para a cabeça da Europa com um artifício caça-ignorantes.

Muito me custa agora ver o mundo inteiro do ano 2010 a comer merda 3D às colheradas  como Portugal fez na altura deste filme. O profeta não será nunca anunciado, como dizem as escrituras.

15753977_mN0Yj

NOTA: actualizado em 24/09/2013 para colocar a imagem dos óculos e a sua caixa que dá oportunidade de ganhar um automóvel e três televisões a cores. A cores.

4 Comments

  1. Excelente texto Pedro, juntaste mais um persoangem á galeria Cinema Xunga: “cabo-verdiano invisível (e conceptual)”. Ia adorar ler uma banda desenhada chamada “O Inacreditável Cabo-verdiano Invisível (e Conceptual)”, ” ICVIC” par os amigos 😀 se tivesse sucesso até podia dar um filme! “O Inacreditável Cabo-verdiano Invisível (e Conceptual) Sodomiza a Nação”

  2. Isso de na altura se ir ver 3D quando a maioria ainta via a preto-e-branco… enfim!
    E o filme não valia nada de especial…

    É curioso mas nos dias de hoje o efeito regressou e o Avatar ao menos esteve á altura do uso do 3D.

  3. Resta saber se com o “novo” meo 3D que tanto se fala também teremos que por a TV a preto e branco para ver alguma coisa de jeito? 😉

    De resto fui também um dos que passaram a fatidica noite com os maravilhosos oculos sendo que no fim… deixei-me dormir e nem acabei por ver o final do filme…

  4. A-D_O-R-E-I! Ainda à pouco lembrei-me disto e fui procurar se alguém já o tinha recordado pela, net e vim parar a este Magnifico relato!
    Literalmente babei-me a rir, e olha que em mim não é facil principalmente tão no imediato e de ir às lagrimas..!
    Adorei principalmente este paragrafo:
    “O filme começa. Ninguém acreditava. O pior filme de terror de que há memória. Um pastelão completamente idiota dos anos 50 ou 60. O efeito 3D era sentido à custa de muita fé. Fé na RTP e esperança de não sentir aquele inevitável sensação de “eu sou tão estúpido a acreditar nestes idiotas…“ ”

    Muito Obrigado pela partilha.
    Só comparável com o “cola o DOT no canto do ecran” da SIC!
    Fica ainda a ideia de relatares/comentáres o caso do “Império dos Sentidos”, que ultrapassou a “Gabriela”…

    Mais uma vez um muito obrigado e: Queremos Mais!

    Casimiro Gonçalves

Leave a Reply

© 2017 CinemaXunga

Theme by Anders NorenUp ↑

%d bloggers like this: