Desde 24 de Junho de 2003

Tag: 2008 (Page 2 of 3)

Nick and Norah’s Infinite Playlist (2008)

nicknorah

Às vezes tentamos arduamente ver um filme bom e a desilusão apodera-se de nós levando-nos a gritar para os céus em desespero com os braços levantados. “Nããããõoooo! Porque é que todos os filmes que vejo são merdosos?“. Mas estas coisas do cinema são como o amor ou o fluxo mestrual: quando menos se espera lá está ele. E feliz foi o tropeção que dei neste filme, que apesar de não ser obra prima é uma maneira agradável de passar 90 minutos.

Continue reading

The Great Buck Howard (2008)

buckhoward

Sabem aquelas pessoas que compram um carro e depois dizem que só existem em Portugal 3 carros daqueles? Até pode ser verdade, mas 1 anos depois é só carros daqueles por todo o lado e eles continuam a dizer que só existem em Portugal 3 carros daqueles. E mesmo na evidência de estar perante uma pirâmide de carros iguais ou um engarrafamento composto apenas por carros daquele modelo eles continuam a dizer que só existem em Portugal 3 carros daqueles. É deste “sindrome de suspensão temporal” que retrata este filme.

Continue reading

Vicky Cristina Barcelona (2008)

vickycristina2

A overdose de intelectualidade de alguns filmes de Woody Allen tem vindo a ser mal compreendida pelo públicos menos fiéis de autor. Aquilo que parece ser uma atitude pretensiosa face à nossa ignorância no campo dos compositores austríacos ou dos filósofos alemães é quase sempre uma falácia narrativa que Allen arranja para nos presenciar com uma paulada na cabeça para aquilo que se pode definir como “Banho Frio de Realidade”. Ah, é verdade, e neste filme também há amor lésbico entre Penelope Cruz e Scarlett Johansson.

Continue reading

Arte de Roubar (2008)

artederoubar

Em Portugal há décadas que se procura a fórmula do sucesso internacional. Frequentemente se apregoa prematuramente a eminência do reconhecimento da genialidade lusitana, seja cinema, música ou outras artes. Tal é o desespero pela fórmula milagrosa que os nossos produtores disparam em todas as direcções sempre com o papo inchado de superioridade e pedantismo e sempre desaguando nas fétidas águas do esquecimento. Todo este estrabuchar de desânimo e este clamor por atenção faz com que só existam em Portugal alguns filmes bons, filmes transparentes (que passam despercebidos) e depois uma enorme gama de categorias de filmes maus, desde o hilariante involuntário ao perfeitamente idiota sem nexo, passando pelos políciais com cheiro a sexo e rata badalhoca, o falhado aspirante à candidatura a Oscar ou a indiscritível posta de inocuidade deslavada que Manoel de Oliveira cospe anualmente.

Continue reading

Last of the Living (2008)

Last of the Living (2008) 21 anos depois de Bad Taste de Peter jackson, eis que nos chega mais uma pérola do cinema de terror neozelandês ultra-low budget. Com um orçamento de 5 dígitos apenas, Last of the Living compensa em sentido de humor e frescura o que lhe falta em meios. E voilá, estamos perante uma nova estirpe de filme de zombies, o filme “quase sem zombies”.

Continue reading

Freezer Burn: The Invasion of Laxdale (2008)

Freezer Burn: The Invasion of Laxdale (2008) Canadá, aquele país semi transparente que vive na sombra dos Estados Unidos da América e que sofre quase sempre do síndrome de associação com o vizinho de baixo, normalmente em coisas más. Mas este é um país diferente, que além do man-child Tom Green tem também um sentido de humor proprietário  limitado às suas fronteiras internas. Freezer Burn é um filme que arranca gargalhadas de 10 em 10 segundos no país natal e aqui entre nós tem tanta piada como o episódio piloto do “Eu Show Nico”.

Continue reading

Cavalcade of Cartoon Comedy (2008)

cavalcadeofcartooncomedy

Por esta altura, quem não sabe quem é Seth MacFarlane pode ser considerado um analfabeto no que diz respeito a cultura popular. A outra opção é irem rapidamente procurar no Wikipedia ou na IMDB para um pouco de “sabedoria instantânea” e mais tarde dizer “Sim, sim, eu já gostava dele quando foi ajudante do técnico de som em Bexigas de Raul “.

Continue reading

Meet the Spartans (2008)

spartans

Pode facilmente avaliar-se uma sociedade pelos gostos em entretenimento. Não em actos isolados ou fenómenos mediáticos temporais, mas pelos franchises que se recusam a morrer, por mais deprimentes que sejam, porque o público insiste em se auto-flagelar pagando para ser enrabado culturalmente. Dentro deste esquema de sodomia psicológica, encontra-se este Meet The Spartans, que vem na senda de nulidade dos Scary Movies, Date Movie, Teenage Movie, Superhero Movie ou Epic Movie.

Continue reading

Fanboys (2008)

fanboysNos finais de 1998, primeiros meses de 1999, o mundo cinéfilo viveu uma época de expectativa nunca antes vista e, a bem dizer, nunca depois vista. Foi o tempo que antecedeu a estreia de “The Phantom Menace”, primeiro capítulo da prequela de Star Wars. Na altura da estreia do primeiro trailer, salas inteiras esgotavam para ver o trailer e 95% das pessoas saiam antes do filme. Foram tempos loucos, pior ainda para fãs tugas que tiveram que esperar pelo Natal. Na altura já havia Internet e banda larga. O fanboys portugueses já todos tinham visto o filme. Eu incluído. E que bela merda nos saiu na rifa…

Continue reading

Astérix aux jeux olympiques (2008)

asterix

Como tão bem sabemos, passar um banda desenhada para o grande ecran não é uma tarefa linear nem simples. Que o digam adaptações como Catwoman, Elektra, Daredevil, Punisher, Blade, Spawn, Spiderman, o novo Superman, isto só para citar alguns exemplos de lustrosa falta de qualidade e, porque não dizê-lo, horrenda mediocridade! Asterix, infelizmente, não é uma excepção à regra e neste terceiro capítulo parece ainda enterrar fundo numa fossa céptica o conceito da adaptação ao cinema de um comic.

Continue reading

Yes Man (2008)

yesman2

Por uma vez na vida gostava de ver um filme com uma história de amor assim: rapaz conhece rapariga, rapaz finge gostar de rapariga para ganhar aposta (ou qualquer outro reles subterfúgio narrativo), rapaz namora com rapariga, no pico do amor rapariga descobre aposta (ou o reles subterfúgio narrativo), rapariga afasta-se do rapaz em lágrimas, rapaz percebe que realmente ama rapariga, rapaz chora à chuva com uma balada hard-rock, nos últimos 3 minutos rapaz corre desesperadamente para reatar a relação amorosa com a rapariga, rapariga encontrada em casa enforcada na casa de banho (mortíssima e com moscas), rapaz atira-se da janela e cai no alcatrão e sobrevive com uma perna e braço partido, camião do lixo não vê rapaz na estrada e passa-lhe por cima arrastando-lhe as entranhas ensanguentadas até 800 metros mais à frente…

Continue reading

Cloverfield (2008)

cloverfield

Estive para dar este filme com boff e até como xunga. Uma mistura estranha de sentimentos apodera-se de mim quando penso nele. Devido a isto cheguei à conclusão que não é xunga mas por pouco. Mas antes quero falar de duas coisas à laia de introdução: Blair Witch e as tão badaladas “Campanhas Virais de Publicidade”. Blair Witch Project é, quase de certeza, o pior filme da história. Fruto da imaginação retardada de 2 atrasados mentais que precisavam de dinheiro para as dívidas com prostituição, Blair Witch atraiu milhões às salas para ver… nada! Absolutamente nada, o vazio total. A ausência! Papalvos do mundo inteiro cantavam hinos de “lambe-escroto”, incapazes de admitir que tinham sido suficientemente lorpas para ser guiados pelo hype mediático. Um pouco se passa com este Cloverfield, mas antes disso…

Continue reading

Eden Lake (2008)

edenlke

Eden Lake é um filme aterrador, diabolicamente pervertido. É filme de terror no verdadeiro sentido da palavra. É como um passeio pelas idílicos bosques ingleses, pejados de esquilos e verdejantes prados onde o orvalho matinal é eterno, o cheiro a frescura é encantador, mas nós estamos amarrados com arame farpado à grelha frontal de uma Ford Transit ferrugenta que atravessa o bosque a 120km/h a arder. Carrinha essa que não tem condutor e vai direitinha a um plátano…

Continue reading

The Wrestler (2008)

thewrestler

De há uns anos para cá começaram a dar à costa os naufragos dos anos 80, os chamados “has beens”. Estrelas viçosas que no seu tempo eram reis do mundo mas que tomaram más decisões económicas, trocando o imobiliário e a bolsa por cocaína e putas. Uma galáxia enorme que agora aparece em todos os meios de entretenimento a tentar ganhar qualquer coisa para ir vivendo, o pão nosso de cada dia. Nem que para isso tenham que tornar as suas desgraças públicas. E como nós adoramos desgraça alheia, quem em tempos viveu em palácios e foi conduzido em limusinas e agora andam para aí a ganhar o ordenado mínimo, gordos e disformes. É este universo que The Wrestler explora, o desgraçadinho que já foi o maior lá da aldeia.

Continue reading

Slumdog Millionaire (2008)

slumdog

Esteve quase a ir directamente para DVD quando um executivo de Hollywood pegou nele e no potencial “indice de desgraçadinho” e o conduziu qual tanque de guerra pelas sangrentas batalhas das galas de prémios. Acabou por ganhar quase tudo por onde passou, re-catapultando Danny Boyle para a área visível do espectro cinematográfico. Cidade de Deus indiano com sabor a caril e Oscar é como o marketing o está a servir nas florestas de multiplexes por esse mundo fora. Será Slumdog Millionaire um fenómeno cinematográfico capaz de nos fazer reavaliar o conceito de cinema?

Continue reading

The Mummy: Tomb of the Dragon Emperor (2008)

mummy3

Da secção: Filmes que não vi até ao fim, ou se vi foi em Fast Forward…

Apesar dos últimos avanços tecnológicos, culturais e sociais, China será sempre para mim o país onde as mulheres têm a genitália na horizontal. Ao que parece sou acompanhado nesta absoluta ignorância acerca da cultura chinesa  por toda a equipa técnica/criativa (sic) deste Mummy 3, que pega no hype em volta da China e dos Jogos Olímpicos de 2008 e teleportam para lá mais um capítulo das múmias assassinas, que toda a gente julgava morta e enterrada (no sentido literal, figurado e toda uma vasta gama de multi-dimensionalidade de sentidos que possam imaginar…).

Continue reading

Hellboy II: The Golden Army (2008)

goldenarmy

Quando vi o primeiro Hellboy fiquei algo confuso. Uma boa realização e Ron Perlman a criar um personagem memorável. No entanto  o argumento saiu fraquinho. Sim, era o primeiro de uma eterna saga que não acaba mesmo que Hollywood seja dizimado por um bactéria que se alimenta de carne humana, uma vez que nalgum outro lado hão-de pegar nele e fazer um reboot… ou reset… E como primeiro episódio de qualquer franchise de super-heróis temos aquela entediante hora de explicação, origens, tentar enquadrar num mundo real a existência de um demónio humanóide vermelho-vivo, invocado das profundezas do inferno por um grupo de nazis adoradores de Satanás, que tem os cornos cortados com um serrote, é boa pessoa, gosta de longos passeios na praia ao por do sol, gosta de comédias românticas e de disparar balas do tamanho de VW carocha da sua colossal arma. Tem um braço direito do tamanho de um armário, que poderá ou não ser devido ao excesso uso (if you know what I mean)… Coisas normais do dia a dia, portanto!

Continue reading

Rambo (2008)

Mais do que um dos melhores filmes de acção de todos os tempos, Rambo é uma catástrofe natural à escala global alimentada a testosterona pura. É preciso ser da minha geração, que teve em Rambo um dos ídolos de adolescência, para compreender este fenómeno. E todos nós, os trintões, sabemos que não há volta a dar. Podemos falar mal, dizer “Ah, já tá velho e gordo”, mas vamos invariavelmente ter que o ver. Largamos as namoradas e esposas algures, porque este não é filme para se levar uma gaja.

Continue reading

The Happening (2008)

The Happening (2008)

Sai hoje dos cuidados intensivos Fernando, um gajo conhecido por ter realizado uma curta metragem chamada “Salsa Negra”, em que Pauliteiros de Miranda dançam a Marcha Imperial ao lado do Nicolau Breyner que está sentado numa pedra, junto ao rio Zêzere, a depenar frangos vestindo uma t-shirt de licra do Hard Rock Cafe de Souselas e um capacete de clone trooper, sem calças. Mas não foi isso que o levou ao hospital. Ele é também o gajo que me aconselhou o filme The Happening de M. Night Shyamalan.

Continue reading

The Dark Knight (2008)

darknight

Umas palavrinhas rápidas, porque já tudo foi dito.

Agora que a agitação passou, decidi dar umas palavrinhas acerca de Dark Knight, recentemente elevado à categoria de Intocável. Intocável no sentido Brian de Palma e não no sentido “casta indiana pobrezinha”. Quer queiramos quer não, é muito difícil de nos abstrairmos da parte emocional que ligará para sempre este filme a Heath Ledger. É difícil ver este filme em modo standalone, pelo seu próprio mérito. Tem algum, bastante! Mas, meus amigos, não tem todo o mérito que lhe foi atribuído aquando da estreia.

Continue reading

« Older posts Newer posts »

© 2021 CinemaXunga

Theme by Anders NorenUp ↑