CinemaXunga

Desde 24 de Junho de 2003

Battleship (2012)

battleship

Jaime era uma rapaz de 23 que tinha acabado de arranjar um emprego como engenheiro mecânico numa marca automóvel famosa, com ordenado mínimo e contrato a 3 meses. Conheceu Alice, uma adorável garota de  25 anos no café onde tomava o pequeno almoço. Palavra puxa palavra e Jaime convida Alice para uma ida ao cinema. “OK!” diz ela enrubescida enquanto acaba de tomar o seu Capuccino. Nessa noite encontraram-se frente ao cinema e quando Alice se dirigia à bilheteira, Jaime sussurrou-lhe ao ouvido “Onde vais tontinha? Já aqui tenho os bilhetes!” e piscou-lhe o olho com uma malícia perfeitamente aceitável para a ocasião. Duas horas depois saem do cinema e dirigem-se para casa de Alice para ver uns posters que ela encomendou da Amazon. Os dois perceberam a razão dessa visita, mas nenhum quis admitir. Antes de entrar em casa, a rapariga pede-lhe que se descalce, pois não quer sujar a sala que tinha sido aspirada durante a tarde. Jaime entrou descalço. “3 gatos?”, perguntou. “Na realidade são 12, mas alguns marotos andam na rua. São os meus filhinhos”. Alice pediu desculpa e ausentou-se para vestir algo mais confortável. Jaime sorriu de modo maroto e sentiu uma ligeira erecção a imaginar a noite de deboche que tinha pela frente. Ouviu um ligeiro barulho atrás do sofá onde estava sentado e ao tentar virar-se sentiu um dor aguda na base do crânio. A sala pareceu-lhe rodar 90 graus mas podia ser apenas um efeito óptico por estar a cair meio inconsciente em direcção à alcatifa. A última coisa que sentiu antes da visão se ter enegrecido e depois enchido de estática, foi um gatinho que se apressou a lamber-lhe o sangue que lhe descia pela testa.

Os sons eram imperceptíveis, mas parecia alguém a falar com uma criança. Tentou abrir os olhos, mas só um reagiu porque o outro parecia não querer obedecer. Pela dor percebeu que estava inchado. Olhou para baixo. Não tinha calças. Não se conseguia mexer bem. As mãos estavam amarradas atrás das costas e parecia ter algo alojado profundamente no ânus. Não era tanto o facto de ter algo no ânus que o incomodava, aliás, era prática comum a ex-namorada enfiar quantos vibradores lá havia em casa. O que o incomodava era não saber bem a origem do objecto que parecia até estar a mexer-se sozinho. Mas podia ser impressão sua. “E se for sujo e infectar?”, pensou. Levantou a cara e viu a Alice vestida com um facto de treino cinzento bastante ensanguentado. Tinha uma faca na mão. “Olhem meninos, olhem quem acordou! Olá papá!”, disse de olhos ligeiramente esbugalhados. Parecia estar a falar com os gatos.

“Sabes ‘mor, esta faca custou-me 1.25 euros. Comprei numa promoção da TV Guia. Corta bem, mas tem que ser afiada todas as semanas. Queria comprar as outras, mas a vaca do quiosque não me guardou nenhuma. Ficaram com elas todas. Elas e as amigas. Putas, todas putas…” Aproximou-se. Encostou a ponta da faca nos testículos de Jaime. O bico aguçado fez flectir a pele do escroto, mas não perfurou. Jaime tentou pedir-lhe para parar mas inicialmente só conseguiu cuspir sangue. Bastante sangue. Ao passar a língua pela boca percebeu que lhe faltavam alguns dentes. “Pára! O que foi? O que é que tu queres? Se for dinheiro vieste ao sítio errado.” Gritava. Tentou pontapear a faca, mas as pernas também se recusavam a obedecer. Sangrava de um joelho que parecia ligeiramente desalinhado. Tinhas as rótulas partidas.

“Dinheiro? Achas que quero o teu dinheiro? Eu só te queria a ti. O teu amor, o teu carinho. Envelhecer contigo. Ter uma casa à beira mar para envelhecer com os nossos filhos.” Disse apontando a faca ensanguentada aos gatos. “Foda-se, só nos conhecemos a semana passada. Estás doida? Eu …” Foi interrompido quando a faca foi um pouco mais à frente arranhando ligeiramente o escroto. “Um filme de explosões e guerra baseado na batalha naval?” disse “Foi esse o filme que quiseste que recordássemos como nossa primeira saída?” Virou-se para a janela. “Pensas que eu sou uma das tuas putas? Aquelas que levas a ver os  Transformers e depois fodes no carro? Não ‘mor, não sou dessas. Sou uma menina decente, educada na fé católica numa escola privada e de boas famílias. O meu tio avó foi governador civil.” Voltou-se novamente para ele, teatralmente.

“Duas horas de agonia. Explosões, heróis em câmara lenta. A Rihanna… Foda-se, tinha a Rihanna. Tu sabes bem o que sinto pelo Chris Brown e levas-me a filme da Rihanna? E tu sempre a olhar-lhe para as mamas, para a aquele cú gordo… Porque é que me fizeste isto?” e desatou a chorar. Lágrimas grossas caem-lhe das faces. “Mamas? Ela estava vestida de soldado o tempo todo… O filme nem foi assim tão mau, os efeitos especiais…” tentou desculpar-se mas foi interrompido. “Porque me fazes isto? Porquê?! A culpa é tua, eu só queria dar-te amor, queria cozinhar para ti todos os dias, engomar a tua roupa, escolher as tuas gravatas…”.

Ele ainda tentou responder, mas é difícil falar quando nos enfiam um esponja de cozinha na boca. Suja, cheia de espuma negra e staphylococcus suficientes para neutralizar um cavalo. Os gritos rapidamente são substituídos por sons abafados de agonia. As pupilas dilatam-se à medida que a faca é empurrada, sentiu o gume frio da navalha até ao osso, sentiu o cão da morte a bafejar no seu pescoço.

KONIEK

13 Comments

  1. Melhor crítica que alguma vez li! e tenho dito…

  2. Ok. Estou convencido a não mais ver a película.

  3. A importância de estudar as mulheres antes de com elas se envolver. E o filme nem é assim tão bera.


    Pedro Pereira

    http://por-um-punhado-de-euros.blogspot.com
    http://destilo-odio.tumblr.com/

  4. Não digo que o filme é bera. A Alice é que não gostou.

  5. Nota mental: não levar nehuma “Alice” ao cinema.
    Não desgostei do filme.
    P.S. – alguém prémio tem que ser entregue a este filme. se não houver nenhum com a categoria Melhor Post, faz-se já um Prémio para entregar…

  6. Correcção:

    P.S. – alguém prémio tem que ser entregue a este texto. se não houver nenhum com a categoria Melhor Post, faz-se já um Prémio para entregar…

  7. clap clap clap

    Isto sim, tem os meus parabéns! Um dos melhores textos do tio xunga… Excelente, excelente

  8. A crítica apresenta maior talento criativo que o filme lol

  9. belíssimo texto já suspeitava que o filme devia suscitar este tipo de reacções, é que parece mesmo muito mau e tem a rihanna lol.

    O final do texto termina com a cereja no topo do bolo, não se cita Mão Morta todos os dias, afinal de contas 😉

  10. Que mais se pode dizer de um mágnifico texto como este sem ser:
    “All hail to the king of xunga!!!”
    Os meus mais sinceros Parabéns!

  11. Alice, my darling, eu nunca te faria tal coisa…
    (João Lopes, cuida-te! There’s a new critic in town…)

  12. LOL! Nota 10 à review!

Leave a Reply

© 2019 CinemaXunga

Theme by Anders NorenUp ↑

%d bloggers like this: