CinemaXunga

Desde 24 de Junho de 2003

Tag: inglês

Sightseers (2012)

sightseers

A dor da perda e a tardia percepção de se amar sem ser amado desencadeia uma série de mecanismos de auto-defesa compulsivos inconscientes e involuntários. Uns enfardam pastelaria sortida na tentativa de encher o colossal vazio de chocolate, creme de pasteleiro e massa folhada à base de gorduras hidrogenadas e cancerígenos em geral, outros consomem inutilidades na esperança de substituir a dor da alma pelo catálogo da Benetton, outros compram cães, gatos, coelhos e toda uma panóplia de fauna que por vezes atravessa a fronteira daquilo que é um animal de estimação para aquilo que poderá ser uma bela chanfana. Outros compram uma caçadeira de canos serrados, metem-se num ford escort de 1997 e atravessam 0 país a matar gente para depois relaxarem num belo banho de sais enquanto esfregam os sangue e as vísceras da cara. O importante é exteriorizar a dor e não enlouquecer com ela a fervilhar-nos o cérebro até à loucura

Continue reading

Outpost: Black Sun (2012)

outpost

Todos temos os nossos rituais, sejam satânicos ou convencionais, sejam obsessivos compulsivos, entrar sempre com o pé direito ou limpar a gaita aos lençóis depois do acto ignorando os pungentes apelos femininos de que há lenços na primeira gaveta. Eu não sou diferente de ninguém e tenho os meus que, vim a aprender com o tempo, são perfeitamente normais. Dormir com t-shirts publicitárias, começar sempre uma viagem com “Nothing Really Ends” dos dEUS, rapar o escroto e fazê-lo reluzir com azeite virgem antes de ir à pastelaria ao domingo de manhã comprar pão e ler o folhetim do sindicato dos talhantes de Serpins e, ritual cinéfilo, ver um filme diferente de zombies nazis uma vez por ano.

Continue reading

Sherlock Holmes (2009)

Quando em 2004 estreou a série House M.D., os seus criadores não tiveram pejo em admitir a sua principal inspiração para tão exótico personagem: Sherlock Holmes. 6 anos depois é a vez do rabo torcer a porca. Fomos então presenteados por um Sherlock Holmes fortemente baseado no Dr. House. Inteligente, mestre da dedução, irascível, controlador, possessivo, violento, sem aparentes princípios morais ou o mais pequeno sinal de respeito pelos seus iguais, permanentemente ensopado em opiáceos e com a fantástica capacidade de transformar um pedaço de aparente solidariedade em mais um acto de cruel egoísmo. E é por isso que o amamos.

Continue reading

Severance (2006)

Cada vez mais o mundo se leva a sério. Demasiado a sério! É um sinal dos tempos. Ninguém gosta de ser menosprezado, existe uma tendência de dar valor demais coisas que realmente não o têm. Olhem o cinema actual, por exemplo! Mais do que filmes que se levam demasiado a sério (e logo aí perderem toda a piada), temos exércitos de pessoas que os levam a sério só porque o marketing ditou que assim tinha que ser, e depois têm medo de parecer menos inteligentes, eloquentes ou enciclopédicos que os seus compinchas. Mas felizmente que essa tendência não é globalizante. Filmes como Piranha, Machete ou este muy british Severance vêm demonstrar que o cinema divertido, descomprometido e de qualidade não está morto, ao contrário dos seus personagens que aparentam alguma dificuldade em manter a sua integridade física, seja por  perigo de degolação, mutilação, perfuração severa ou traumatismos múltiplos provocados por objecto contundente, condição normalmente conhecido por “facada no lombo”.

Continue reading

Revolver (2005)

Perdi o rasto a Guy Ritchie depois daquele filme em que a Madonna fica presa numa ilha deserta com um empregado italiano que passou a amar depois de um mau começo. E com “amar” quero na realidade dizer “Malhar chouriço até ficar com as bordas em carne viva”.  Era mau demais para ser verdade. Depois de Lock, Stock and Two Smoking Barrels e Snatch, é o poder de uma esposa irritante que lhe derruba a superior capacidade de fazer filmes, qual Sansão do celulóide. Fiquei triste e podia ter chorado se ainda me tivessem sobrado lágrimas depois do Phantom Menace. Um dia destes apanhei Revolver no MOV (HD) e pude comprovar que o velho Guy voltou a entrar nos eixos, com um filmezinho bem decente, apesar de vir atrasado para o salvar da infâmia.

Continue reading

I Sell the Dead (2008)

Quantos entre nós não se terão já interrogado acerca do tipo de vida que levavam as pessoas que arranjavam os mortos para o Dr. Frankenstein retalhar e escolher as melhores peças? Ou mesmo para aqueles visionários que se lembraram que poderiam saber alguma coisa sobre o corpo humano esquartejando cadáveres? Certamente não acreditam que o Sr. Dr. Victor Frankenstein, homem de boas famílias e educação superior, fosse ocasionalmente para o cemitério de pá e picareta escolher os mais frescos e viçosos pedaços de anatomia humana. Nada disso! Exércitos de salteadores de cemitérios e de defuntos em geral não davam descanso nem aos mortos para ganhar a vida. E é desta gente que trata o nosso filme de hoje. Tal como a classe de trabalhadores que retrata, é simples mas honrado.

Continue reading

Frequently Asked Questions About Time Travel (2009)

Os britânicos encaram a ficção científica de um modo diferente do resto do mundo. Mais leve, airosa, frequentemente bem humorada mas sem com isso tirar a devida profundidade aos temas. Aliás, comparando com a ficção científica americana que é sisuda, cinzenta e monocórdica, a britânica é frequentemente mais complexa e apoiada em factos científicos, por mais estratosféricos e improváveis que possam ser. FAQ About Time Travel conta-nos a história de três amigos (dois nerds de scifi e um anti-nerd sci-fi) que se vêem numa embrulhada épica quando uma anomalia do fluxo temporal na casa de banho do pub que frequentam os envia aleatoriamente para várias épocas.

Continue reading

Psychoville (For Local People)

psychoville

A violência doentia e a demência que vai muito além do moralmente aceitável é um terreno pródigo na comédia inglesa. Quem não se riu até todo o corpo doer com a mítica série “The League of Gentleman”, em que o ódio doentio, malevolência, irracionalidade extrema e mais vil crueldade nos faziam desejar que toda aquela gente vivesse para sempre na mais profunda miséria para bem dos nossos sábados à noite? Psychoville é a mais recente criação da dupla de League of Gentleman, desta vez com uma gorda cereja no topo do bolo: Dawn French.

Continue reading

My Summer Of Love (2004)

mysummeroflove

Antigamente havia cinema independente, declaradamente e descaradamente independente. Depois apareceu a fase Miramax e toda a gente passava por independente. Oscares e o caraças e a fase passou. Agora voltámos ao domínio do estúdio grande com filmes pequenos à base de fogo de artifício digitech. Eu, confesso, gosto de cinema independente, dos olhares fora do mainstream que não se prendem com a salvação do planeta, mas antes com realidades pessoais e focalizadas de determinado personagem ou comunidade. Também vos digo já que hoje em dia é difícil encontrar um filme com estas características, com a quantidade de lobos que vestem pele de cordeiro.

Continue reading

© 2019 CinemaXunga

Theme by Anders NorenUp ↑